20 anos depois, empresa detalha como o palco do VMA 2001 foi construído

Em comemoração aos 20 anos da histórica performance de I’m A Slave 4 U no Video Music Awards em 2001, Ray Winkler, diretor da empresa Stufish foi procurado pela publicação britânica Design Week para comentar sobre o processo da construção do palco para a apresentação, revelando detalhes interessantes e inéditos, inclusive com sketchs do palco. Segundo Ray, o palco todo foi desenvolvido e construído ao longo de três semanas e é até hoje considerado uma das maiores realizações da empresa.

Para ele, a apresentação e o design do palco são particularmente memoráveis pela ausência de tecnologia. Há 20 anos, os aparatos tecnológicos para essas apresentações não estavam nem perto do que estamos acostumados hoje em dia. No entanto, ele recorda que a equipe teve um “nível de liberdade que até então desconhecíamos.”

Telões de LED, por exemplo, não estão presentes na apresentação: eles eram muito caros e pesados. E, mesmo que fossem disponibilizados para uso, esse tipo de tela costuma se sobressair aos performers. “É como se o cachorro ficasse sentado balançando o rabo”, dizendo que o público assiste à interpretação do diretor do show, em vez da dinâmica do palco em geral.

Em vez disso, ele diz que a equipe teve que se concentrar em melhorar a já formidável presença de palco de Britney de uma forma física. Coreografia, iluminação, cenário, cores e texturas, todos tiveram que trabalhar juntos, mas de uma forma que apoiasse a performance da artista, ao invés de ofuscá-la.

Ele diz que essa abordagem tem um “precedente histórico real”. “Centenas de anos atrás, quando um papa estava na cabeceira de uma catedral para se dirigir ao público, não era a arquitetura do edifício que fazia as pessoas ouvirem.”

Havia quatro marcos arquitetônicos principais para o cenário I’m A Slave 4 U – três gaiolas giratórias e uma grande árvore. Winkler descreve o visual como “uma espécie de selva techno futurística distópica”. As gaiolas e os adereços circundantes deveriam evocar sentimentos de “cativeiro, tentação e sexualidade”.

A ideia era criar uma versão abstrata do mundo natural, explica Winkler. Em vez dos verdes típicos, as cores dominantes eram ouro, prata e bronze. Em vez de telas de LED, um pano de estrela de veludo preto foi usado como pano de fundo. Além das ideias mais conceituais, a equipe também teve que projetar elementos práticos – a gaiola da qual o cantora emergiu no início da apresentação precisava de uma fechadura que fosse fácil de abrir, mas que mantivesse o (real) tigre fechado, por exemplo.

Ele diz que o conceito de I’m A Slave 4 U “veio direto da cabeça de Britney”. “Ela mostrou um nível extremamente alto de consciência e sofisticação para o teatro e o ambiente em que essa performance precisava ser realizada”, explica Winkler.

Vinte anos depois, Winkler diz que a temática que a cantora queria abordar no programa parecem ter um significado mais profundo em retrospectiva. Isso se deve em grande parte à campanha da Free Britney, que atingiu seu auge no início deste ano. A campanha de defesa online buscou remover o pai da cantora como seu conservador (um termo legal para tutela nos Estados Unidos).

Embora um prazo de entrega de três semanas não seja incomum na indústria do entretenimento, de acordo com Winkler, o fato de o trabalho de design para o show sediado em Nova York ter sido realizado enquanto a equipe Stufish estava em Londres tornou as coisas um desafio. “As coisas eram muito feitas por telefone e fax”, diz Winkler.

O projeto foi um exercício de trabalho simultâneo, afirma. Enquanto a equipe estava projetando e desenvolvendo os elementos físicos em Londres, a equipe de Britney estava marcando o cenário para que ela pudesse coreografar de acordo com o que estaria no palco na noite. “Ela precisava estar espacialmente ciente das coisas, mais do que precisar saber quais cores as coisas seriam”, explica Winkler. A equipe só viajou para o local da apresetação em cima da hora.

Além de certificar-se de que o conjunto foi projetado de uma forma que complementasse o estilo de atuação de Britney, Winkler diz que a próxima maior pressão foi garantir que tivesse uma boa aparência na TV. Embora houvesse uma pequena audiência ao vivo naquela noite no Metropolitan Opera House, I’m A Slave 4 U foi “projetado para ser mostrado na telinha” como parte da premiação como um todo.

Na época, as performances de televisão precisavam ser filmadas em uma proporção de 4: 3, o que significa que o espaçamento dos elementos era “muito importante”, diz Winkler. Como uma apresentação será vista ainda é uma grande preocupação da equipe da Stufish hoje em dia, mas agora ele diz que o padrão é estudar como aparecerão na tela de um smartphone.

Com tanto para fazer em tão pouco tempo, Winkler diz que não se lembra de ter sentido de imediato o impacto duradouro que I’m A Slave 4 U teve na cultura pop. “É difícil quando você está no calor do momento e tão focado na entrega”, diz ele. Foi apenas vendo a recepção que a performance teve depois que ele teve uma noção do feito que eles haviam realizado.

Winkler diz que a maior lição aprendida com o projeto foi “saber quando uma boa ideia é uma boa ideia”. “Havia muito mais ideias sobre a mesa do que poderiam ser executadas fisicamente, então o fato de termos sido capazes de escolher as certas foi importante”, diz ele. Estando tão no início de sua carreira na época, ele diz que isso é algo que ele foi capaz de usar em projetos posteriores.

Dito isso, há coisas que Winkler diz que provavelmente não repetiria. “Será que faríamos um show com animais agora? Provavelmente não, porque o mundo mudou a partir desse ponto”, diz ele. “Dito isso, aquele tigre foi o membro da tripulação mais bem alimentado no set.”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s